Ana Vegana
Veganismo Consciente
   Home      Por que adotar um animal?
   A maioria das campanhas anuncia os animais como apenas necessitados de cuidados, geralmente vistos como um incômodo, especialmente quando nascem em ninhadas e o cuidador não tem a quem entregá-los para adoção. Porém, existe um outro lado desta situação que precisa ser analisado, entendido e, se bem aplicado, pode ser solução e não problema. E friso que, neste artigo, a intenção principal é mostrar o animal como um ser com sentimentos que pode, além de ser um grande amigo e companheiro, ser mais do que isso, numa relação de trocas e de muitas possibilidades que, antes, não foram percebidas. 




Já escrevi alguns outros artigos sobre adoção de animais mas este especificamente será para explicar, de forma resumida, como um animal nas ruas é um problema e acolhido em um lar, passa a ser uma solução.


Em primeiro lugar, uma adoção não é apenas uma caridade com o animal, é uma relação de amizade e trocas. Analisemos porque:

Ao adotar um animal, seja um gato ou um cachorro, o cuidador o levará ao Veterinário, para exames, e um bom banho e comprará um pacote de ração. No caso de gatos, também uma caixa de areia com areia, obvio. Se tiver posses, poderá comprar também caminha, casinha, brinquedos. Mas isso, que fique bem frisado, não é essencial. O animalzinho estará tão feliz pela adoção que aceitará dormir numa caixinha de papelão mesmo, desde que bem forrada e quentinha e, no caso do gato, não há necessidade de uma caixa (de areia) cara, uma mais baratinha, comprada num depósito de materiais de construção já estará ótima. O importante é dar carinho e atenção ao bichinho que, antes de ser acolhido, provavelmente, passou maus momentos nas ruas, sendo vítima de maus-tratos, passando fome, frio, sede. Enfim, só por ter um cantinho para dormir, comida, água e carinho o animal já estará muito satisfeito. 


E ai virá a retribuição em forma de muitas lambidas, rabinho abanando, ronrons, com direito a massagem... Sim, os gatinhos sabem fazer uma ótima massagem nos seus cuidadores. É só manter suas unhas aparadas e eles se encarregam da massagem anti-estresse, diariamente. Inclusive, mulheres que tem gatos, quando engravidam e passam a receber massagens "felinas" na barriga, costumam ter partos mais fáceis e o bebê nasce mais calmo e já amigo do gatinho.  E os cachorrinhos recebendo seus donos com uma grande festa são também um grande alívio de estresse. E, antes que alguém comente que isso é "usar" o animal, já informo que penso em tudo de forma equilibrada, Quem da carinho e cuidados a um animal e recebe de forma espontânea uma massagem ou uma festa ao chegar não está usando o animal, está vivendo uma relação de amizade e trocas. Só isso!


Um detalhe importante, no caso de mulheres grávidas, há algumas regras e restrições de massagens, sejam felinas ou não. Então, ao engravidar, antes de iniciar massagens, consulte seu médico e um terapeuta que entenda de socialização humanos e animais.

  

Além disso, o brincar com o bichinho alivia as tensões, melhora a saúde dos cuidadores, de forma geral. Passear com seu cachorro, além de ser um ótimo exercício, pode fazer você encontrar novos amigos, outras pessoas que também saem para passear com seus cães e acabam fazendo uma boa amizade. Melhora e aumenta seu círculo de amizades. Eu já fiz diversas amizades por intermédio de meu gatinho e até já vendi três livros para a cuidadora de um gatinho “fujão” que, de tanto vir ao meu portão, atraiu a cuidadora e, em resumo, conversamos, fizemos amizade e, ao saber dos meus livros, ela se interessou em adquiri-los. Que ótima oportunidade de negócio no meu próprio portão!


E isso é só o começo, adotar um ou dois animais de estimação, pode gerar mais empregos. O animal que, antes era um problema nas ruas, passa a ser um consumidor de ração, de areia no caso de gatos, de material de higiene, enfim, são tantos os itens que eles passam a consumir que viram solução. E tem mais: A presença de um animal de estimação melhora o lado psicológico de pessoas em tratamento médico, idosos também podem se beneficiar desta amizade com os animais domésticos e as crianças a partir de sete anos já podem ter seu próprio animalzinho, aprendendo a cuidar dele, a criança torna-se mais responsável. E quanto aos gatos, eles são o melhor animal de companhia para crianças com autismo. Eu fiz um estudo aprofundado sobre isso. Leia clicando aqui.


Como este artigo pretende ser curto, só quero frisar mais alguns pontos importantes. Ao adotar um gato ou cachorro, verifique com o Veterinário se o animal já é castrado (se for adulto) ou tem idade para ser castrado. A castração evita doenças e ninhadas, contendo também o abandono. 


Não adote um animal por impulso, pense antes, planeje, verifique o espaço que você tem, se tem segurança, se você tem amor suficiente para dar a ele. Enfim, pense antes de adotar pois não há nada mais triste e traumático para um animal do que ser abandonado depois de ter-se apegado ao cuidador. E ter-se acostumado a ter um lar. Os gatos e os cães são animais domésticos, precisam de um lar, um lugar quentinho para dormir, carinho, proteção. Isso é tão importante quanto alimento e água. Então, imagine um bichinho que tem tudo isso e, por qualquer motivo, é abandonado em um local público. Ou ele não sobreviverá ou poderá tornar-se agressivo, arredio e desenvolver doenças. Além disso, abandonar um animal antes acolhido é crime! Além do grande trauma causado ao animal, o cuidador que o abandona pode pagar multa ou até ser preso. Isto está descrito no artigo 164 do Código penal DL 2848 de 07 de Dezembro de 1940. e no Art. 32. da Lei 9605 de 12 de fevereiro de 1998,há também o Decreto 48.269 de 12 de abril de 2007 e a Lei nº 16.308, de 13 de setembro de 2016 de São Paulo.



Então, pense antes de adotar. Mas não negue socorro a um animal que apareça em sua porta. Se aparecer um cão ou gato na sua porta, comece verificando se está ferido, se precisa de curativos, alimentando-o, dando-lhe carinho e atenção. Aproveite para saber se não é algum fujão que já tem um cuidador. Depois de verificar que o animal não tem ninguém para cuidar dele, deixe que ele vá se aproximando de você. Geralmente em poucos dias, a amizade já está forte e você, provavelmente, estará decidido(a) a ficar com ele. A partir daí, você terá um grande amigo, companheiro de brincadeiras, apoiador nas horas mais tristes, enfim, um verdadeiro e leal amigo. Ele não se importará com seu aspecto físico, com sua conta bancária, ele apenas pensará em estar com você o máximo de tempo possível, sempre feliz com sua companhia e mais feliz ainda por ter saído do abandono das ruas e ter se tornado um consumidor respeitado, afinal o fato dele consumir ração, vacinas, medicamentos, material de higiene, faz dele um consumidor, um gerador de empregos. Já pensou por este ângulo?


Nós pensamos e desenvolvemos algumas palestras não só sobre este tema mas outros que trazem mais consciência da necessidade de preservação do meio ambiente, de respeito a todos os tipos de vida e de alimentação mais saudável. 


Saiba mais sobre nossas palestras,  clique aqui.


Assista este vídeo com o resumo de entrevista de Lou de Olivier concedida ao Programa Ultracão TV Gazeta,comandado por Priscila Mortensen abordando a importância do animal de estimação (com ênfase em gatos) na vida das crianças. 



OBS: Meus pais foram fundadores de três bairros na zona sul de São Paulo - SP - Brasil (Jardim Itacolomi, Jardim Jabaquara e Vila Marari), fizeram o primeiro posto de saúde gratuito da região, acolheram 400 cachorros e inúmeros gatos de rua e deram moradia, alimentação, material escolar, cuidados médicos a inúmeras famílias durante mais de quarenta anos. Eu e meu irmão Erasmo procuramos seguir os passos deles em diversas ações filantrópicas. Esta loja virtual, por exemplo é uma delas. 


Clique na imagem a seguir e conheça um aloja diferente. Tudo vendido a preços populares e toda renda doada a animais abandonados